Image Map

Faça a sua pesquisa

*Abrir as imagens (salvar imagem como). Depois imprimir do seu computador.

terça-feira, 8 de março de 2016

NA TRILHA DO TEMPO:JECA TATU, OBRA DE MONTEIRO LOBATO


Hoje revisando meu baú, encontrei umas poucas páginas de um livro e resolvi fazer uma alusão a esta obra de Monteiro Lobato, do ano de 1918, livro Urupês, JECA TATU. Ele era um trabalhador rural paulista. Simbolizava a situação do caboclo brasileiro, abandonado pelos poderes públicos às doenças, seu atraso e à indigência. O trabalho do escritor era voltado para várias questões sociais, dentre elas a saúde pública no país, que repercutia na política e na campanha sanitarista da década de 1920, denunciando a precariedade da saúde das populações rurais, com impacto na redefinição das atribuições do governo no campo da saúde. Jeca é a imagem do ser legado ao abandono pelo Estado, à mercê de enfermidades típicas dos países atrasados, da miséria e do atraso econômico. Tatu é uma das personagens que serviu como ferramenta de campanha em favor do saneamento, além de esclarecer e educar a população sobre uma doença tropical que, na época, vitimava milhões de brasileiros e era tão negligenciada: o amarelão. Miserável, detinha somente algumas plantações de pouca monta, apenas para sua sobrevivência. Perto de sua habitação havia um pequeno riacho, no qual ele podia pescar. Sem cultura, ele não cultivava de forma alguma os necessários hábitos de higiene. A questão da saúde transparece no enredo quando um médico, ao cruzar o seu caminho, passa diante de sua tosca residência e se assusta com tanta pobreza. Notando sua coloração amarela e a intensa magreza, decide examinar o caboclo. O paciente se queixava de muita fadiga e dores corporais. O doutor então diagnostica a presença de uma enfermidade tecnicamente conhecida como ancilostomose, o famoso amarelão. Ele orienta Jeca a usar sapatos e a tomar os remédios necessários, pois os vermes que provocam este distúrbio orgânico introduzem-se no corpo através da pele dos pés e das pernas. A vida de Jeca muda radicalmente. Ele se cura, volta a trabalhar, reduz a bebida, sua pequena plantação prospera e o trabalhador se torna um homem honrado pelas outras pessoas. A família Tatu agora só anda calçada e, portanto, saudável. É assim que Monteiro Lobato denuncia a precária situação do trabalhador rural; ele revela que medidas simples poderiam transformar este cenário sombrio. Este personagem se torna o símbolo do brasileiro que vive no campo. Tendo em vista o grande surto de casos de dengue no país, resolvi postar esta atividade, pois só através do empenho, dedicação e esforço de todos nós é que poderemos exterminar estes mosquitos que estão causando inúmeras doenças como a DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA VÍRUS e febre amarela. Por favor, não me julgue por esta postagem, não quero aqui fazer nenhuma crítica. Os tempos mudaram, afinal já se foram 98 anos, do relato deste autor, sobre o trabalhador rural. Apenas mostrar que seguindo as orientações que são transmitidas pelos agentes de saúde e outros veículos de comunicação, tudo pode dar certo. 

  Livro Jeca Tatu     Livro Jeca Tatu

Livro Jeca Tatu     Livro Jeca Tatu

Livro Jeca Tatu     Livro Jeca Tatu

Livro Jeca Tatu

     Livro Jeca Tatu   Livro Jeca Tatu

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Este blog é protegido pela lei 9610/98. - A divulgação do conteúdo deste blog( www.misturadealegria.blogspot.com.br) deve ser feita por meio dos botões de compartilhamento disponíveis ou copiando e colando o link exibido pelo navegador. Pode-se também copiar fragmento do conteúdo com link para o site. - É expressamente proibida a cópia (foto) do conteúdo na íntegra sem prévia autorização, mesmo que colocado o link para o site. - Mistura de Alegria concede a você a autorização para visualizar e obter por downloads os materiais deste site, quando disponibilizados, exclusivamente para seu uso pessoal, nunca comercial.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...